Categorias
Saúde e bem estar

Saiba mais sobre os alimentos picantes

Há vários mitos ligados à comida picante; uns verdadeiros, outros falsos.

Aqui pretendemos desvendar quais são, então, os benefícios e os malefícios da comida picante que muitos gostam.
Um dos mitos que mais tinta faz correr é o da propensão da comida picante para provocar hemorróidas. Isto não é verdade, contudo, quem sofre de hemorróidas, deve evitar o picante para não agravar a inflamação.

Outro mito popular refere que o picante ajuda a provocar o parto, causando contrações, mas não existem estudos científicos que comprovem este facto. Muitos médicos acreditam que o que acontece é o picante acentuar sintomas de gastrite ou acidez estomacal e, portanto, recomendam às pessoas que sofrem de gastrite ou úlceras estomacais que evitem comida picante. Pelo contrário, para quem não tem este tipo de patologias, o picante ajuda a proteger a mucosa gástrica.

Vantagens
A maior vantagem do picante foi descoberta por pesquisadores da “Harvard School of Public Health”: pessoas que ingerem este tipo de alimentos têm tendência para viver mais tempo. Descobriram ainda que a comida picante feita de pimenta fresca tem um efeito protetor superior àquela constituída de pimenta seca.

Perda de peso:
De acordo com vários estudos realizados, a comida picante ajuda a estimular o metabolismo, acelerando-o e aumentando o calor corporal, o que faz com que este queime calorias mais rápido.

Ainda, um outro estudo confirmou que o apetite diminui, sendo o efeito ampliado para aqueles que não consomem comida picante regularmente.

Saúde:
As características dos condimentos picantes devem-se, principalmente, a uma substância química chamada capsaicina, responsável pela sensação de ardor ou comichão quando em contato com a mucosa bucal. Um estudo feito em Inglaterra concluiu que este composto ajuda a diminuir o risco de cancro e até a eliminar células cancerosas.

Outros estudos demonstram que a aplicação tópica de capsaicina pode reduzir a dor neuropática e outras dores no corpo. O suposto mecanismo centra-se numa substânica, conhecida como “substância P”, que influencia nos casos de feridas e lesões uma vez que transporta a mensagem de dor para o cérebro. Isto explica o porquê de ser utilizada como ingrediente em cremes e medicações de alívio de dores.

Também está presente em cremes utilizados no tratamento da psoríase, uma doença de pele. O creme de capsaicina reduz significativamente o número de células replicadoras e ajuda na reversão das lesões cutâneas.

Ainda um outro estudo sugere que uma dieta alimentar rica em capsaicina pode ter um efeito protetor contra as úlceras visto que mata a bactéria Helicobacter pylori.